Conceitos da análise técnica

Jhonatas Souza

“A análise técnica por muitas vezes é a porta de entrada para o mundo dos investimentos (de forma autônoma), por ser a metodologia mais antiga e difundida no mercado financeiro e que oferece diversas vantagens para o operador, por conta de sua flexibilidade e facilidade de aplicação”.

Seus conceitos são de fácil compreensão porém é necessário um bom tempo de prática e maturação para que se possa dominar essa metodologia e fazer sua aplicação com maestria.

A Análise técnica, é o estudo dos movimentos dos preços de um ativo, utilizando como instrumento de estudo um gráfico. Através do histórico de dados é possível analisar os movimentos passados do preço para identificar tendências futuras.

Uma das principais referências da análise técnica é Charles Henry Dow o grande criador da teoria que levou seu sobrenome como inspiração A Teoria de Dow. Charles  Dow foi um ex-colunista do Wall Street Journal, que inventou o índice Dow Jones, um dos principais índices de mercado do mundo até hoje.

Enquanto a análise fundamentalista estuda o comportamento de lucros, ativos, dividendos e outros dados das empresas, a análise técnica utiliza especialmente os gráficos do preço como principal ferramenta para tomada de decisão. Através do gráfico, o analista busca identificar padrões de preço e tendências de mercado para explorá-las. Por causa do uso extensivo de gráficos essa análise também é chamada de análise gráfica.

Para a análise técnica, o preço de um determinado ativo já reflete todas as informações relevantes que podem impactar esse ativo. Sendo assim, o foco é analisar o comportamento histórico do preço das ações para determinar qual será sua tendência para o futuro. Na análise técnica acredita-se que o padrão de comportamento dos investidores tende a se repetir com o tempo, criando assim uma oportunidade de identificar essas tendências.

Quais as principais ferramentas da análise técnica?

Depois de entender o que é e como funciona a análise técnica, é importante conhecer alguns dos principais elementos dessa estratégia. Assim, você conseguirá saber de que forma ela pode ser colocada em prática – e se faz sentido para você.

Gráficos:

Os gráficos são os recursos mais importantes para realização da análise técnica. É por meio deles que os investidores podem realizar suas avaliações e tomar decisões de compra ou de venda de ativos.

Tendências:

Nós falamos anteriormente sobre o preço de um ativo ter relação com o movimento de oferta e demanda. Isto é, quanto maior for a procura por ele, mais provável será o aumento do valor de venda, e o contrário também acontece.

Podemos citar três tipos de tendências: a altista, a baixista e a lateral. A compreensão de cada uma é bem simples. A tendência de alta se dá quando a demanda e o preço dos papéis negociados na bolsa de valores sobem.

Já a tendência de baixa é quando acontece o oposto.

Enquanto isso, se diz que o mercado está consolidado “de lado” quando há um certo equilíbrio e não existem tendências de alta ou baixa no período observado.

Topos e fundos:

Um princípio relevante da análise técnica é o de entender que o mercado se mantém em movimento. O que isso significa? Que o valor dos ativos apresenta frequentes oscilações de alta ou baixa ao longo do tempo.

Essas altas e baixas se expressam nas tendências que citamos e podem ser identificadas por meio dos padrões de topos e fundos. Os topos e Fundos ascendentes representam padrões de alta, enquanto os topos e Fundos descendentes representam os padrões de baixa, formando possíveis canais.

A análise técnica não tem fórmulas mágicas que nos entregam o dinheiro de mão beijada, é preciso uma leitura inteligente de contextos através do uso de conceitos corretos e atualizados, muito foco e muita dedicação para ter eficiência em suas análises.

Jhonatas Souza

15/06/2020

 

Related Blog

Leave a CommentYour email address will not be published.